mês de Agosto

Verão de 2007, não sei ao certo o dia, sei somente que a tua presença fez com que eu tomasse decisões que, acredito, poderiam ter tido consequências marcantes. Não lhe chamaria amor, foi uma atracção algo que não sei explicar, sei somente que conhecer-te fez pôr fim a uma relação que nem sei ao certo porque existia, talvez fosse uma necessidade de ter atenção e carinho.
Olhava-te e parecias ser especial, não tinhas aquela rudeza que caracteriza o sexo masculino, eras especial. Convivemos cerca de uma semana, mal falávamos um com o outro, contudo havia algo cá dentro que mexia… Foi através do MSN que começámos as nossas conversas num conhecimento mútuo. Gostava de falar contigo, por mais curtas que fossem as nossas conversas. Sempre que o Verão se aproximava a frequência com que falávamos era maior e por mais atribulado que tivesse sido o ano escolar tu surgias como um refúgio. Sabia que tu estarias ali, comigo, dando-me atenção e valor.
Passaram-se mais dois Verões até 2010, e todos os anos era o mesmo ciclo, falávamos no MSN, éramos companheiros no Verão, e em mim havia sempre a esperança de unirmos os nossos corpos. Quando estava contigo havia aquela ligação, não sei explicar algo estranho, o teu toque, a tua atenção.
 Até hoje, foras a possibilidade de fuga da realidade, sempre que não estavas presente fisicamente poderia falar contigo e ir para o nosso Mundo pequenino, se estavas a meu lado aproximava-me e o mundo parecia fugir-me. Era feliz.
 “A felicidade não é efémera”. Esta é a realidade. E a vida não é um mar de rosas.
Tu, tu e tu. À medida que te fui conhecendo desiludiste-me, mas eu perdoei. Magoaste-me, mas eu perdoei. Mentiste-me, mas eu perdoei. Pedi-te que me respeitasses e que não fizesses comigo o que já fora feito, e tu, ignoraste. Podia dizer-te: Perdes-te uma amiga. Mas, amigos nunca fomos. Meramente uns conhecidos que falavam numa mentira. Tu vives uma mentira e tentas levar-me a crer nessa mentira. Chega ! Pensas que o Mundo és tu. Que vivo em função de ti, que nutro por ti um amor eterno. Acabou, se alguma vez te amei, a tua mentira cessou com tudo. Insistes em ser uma pessoa que não és, a ilusão é meramente tua. A amizade é um bem precioso, e por isso mesmo perdoei, fingi não ver a mentira que te rodeava. Não lhe chamo pena, chamo-lhe talvez aprendizagem. Fui magoada e não queria fazer-te o mesmo. Acho que sempre fui para ti uma amiga, e tu para mim foste um mero conhecido. Não me importo, eu gosto de ver os outros bem e por isso quis ajudar-te.... mas foi em vão.
 Na vida, por vezes, é mais difícil assumirmo-nos perante nós mesmos do que perante os outros. Mas tu és diferente. Posso até estar enganada, mas sei que a homossexualidade já não merece ser um tabu. Resta-nos assumir aquilo que realmente somos, e os outros devem-nos respeito meramente. Podes querer ser alguém que não és, mas eu sei que tu és diferente e sei aceitar isso. Não guardo mágoa ou rancor. Perdoei as mentiras que me contas-te no passado, mas não desculpo as atitudes do presente. Quando eu estava disposta a falar contigo a compreender-te, sei que eu para ti não passo de uma mísera criança que vive no mesmo país que tu nasces-te, mas que é inferior só por não viver numa cidade. É inferior por não ter viajado pelos mesmos locais do que tu, por qualquer coisa é inferior.
Eu tenho um feitio difícil e por isso tentei entender o teu, mas não passa por tentar entender, passa por tu quereres viver uma mentira. Ninguém quer viver numa mentira. Rejeitaste-me como pessoa, perdes-te uma amiga que estava disposta a ajudar-te e compreender-te nas tuas escolhas…


começo a achar que é normal sermos sucessivamente magoados por aqueles que julgamos amigos

4 comentários:

Anónimo disse...

Pois, mas é sempre complicado... :S Conheçemo-nos?

i n ê s ♥ disse...

o teu blog é tão giro *.*

AF disse...

eu não desisti, para o ano tentarei novamente.
apenas para não ficar parada me candidatei para outro curso. não sei se fiz o mais correcto, mas acho que não aguentaria ficar um ano apenas com as disciplinas de exame, porque não é falta de estudo o facto de não ter conseguido nestes dois anos, mas naquelas 2 ou 3h as mãos tremem demasiado para conseguir resolver.
e tu, se me permites perguntar, o que decidiste fazer?

AF disse...

durante este ano eu tratei de tudo para concorrer para Espanha, o pior foi que no dia em que sairam as notas dos exames nacionais da 1a fase em Portugal saiu também um aviso no site do acesso ao ensino superior que deitou o meu mundo abaixo --'

para além de as notas serem muito altas cá ainda dificultam a partida para o estrangeiro :/

é uma luta muito dura.