As minhas asas. . .

“Eles fazem-nos desaparecer durante a noite. Arrombam as portas e as janelas e depois cortam-nos as asas. Elas não crescem porque há alimento invisível nos tubos. O tecto é muito baixo." Não posso voar. Quero ser livre e poder voar. Sou um anjo, não vez que sou um anjo…! Mas as minhas asas, as minhas asas… roubaram as minhas asas.
Quero ser como qualquer um, poder viver, sorrir, suspirar. Porque me mantêm presa como se fosse fruto do pecado. Pensam que são todos inocentes?! Não são. Vocês são o veneno, que me corre nas veias e se está a alastrar, por todo o meu corpo. São a culpa, no seu estado mais puro. São vocês que têm de mudar, não eu. Têm de aceitar a diferença. Aprender a viver e amar, deixar de culpabilizar os outros e aprender com os próprios erros. A perfeição não existe, embora possamos tentar aproximarmo-nos cada vez mais dela, tentar alcançá-la. Porém não podemos fazer dela a nossa vida, não podemos rebaixar os outros para obter a nossa felicidade.
Sou um anjo… um anjo sem asas…“ Não me pareço com ninguém. Nem sequer comigo mesma” . Sou diferente de tudo.

1 comentário:

x) disse...

Apesar de todos os teus textos estarem fantasticos...este acho que o considero o melhor !
Gostei mesmo muito deste ! Tens um talento para a escrita !

As tuas asas...Vao aparecer as tuas asas e conseguiras voar...
Tu és um anjo ades encontrar as tuas asas !